NOTA DE REPÚDIO À APEOESP

DEFENDA PM publica Nota de Repúdio à APEOESP ao ter divulgado, por meio de cartazes, ser contrária à existência do PROERD nas escolas estaduais.

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!

NOTA DE REPÚDIO  

    A DEFENDA PM vem repudiar a manifestação da APEOESP sobre a retirada do PROERD das escolas. Essa manifestação estampou os cartazes convocatórios da Assembleia de 21 de setembro da Associação.
Como é de amplo conhecimento, o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) é o maior programa de prevenção primária do Brasil e está institucionalizado nas Polícias Militares, nos 26 Estados e no Distrito Federal, e em mais 44 países ao redor do mundo.
O “Modelo de Tomada de Decisão PROERD” prepara os alunos para exercitarem o autocontrole, identificarem os riscos e as consequências de suas escolhas, tomarem decisões coerentes, comunicarem-se de maneira mais confiante e eficiente e tornarem-se cidadãos seguros e responsáveis, por meio do aprendizado de como ajudar o próximo e como obter ajuda para si próprio.
Anualmente são formadas mais de 500 mil crianças no estado de São Paulo, e nos 25 anos de aplicação nas escolas paulistas, foram “vacinadas” mais de 10 milhões de crianças pelo programa, sempre com o apoio da Secretaria Estadual da Educação e de professores abnegados, que apoiam e solicitam o programa para a sua comunidade escolar.
Embora a criança seja a grande beneficiada pelo programa de prevenção e pelos ensinamentos de vida adquiridos, a família também se beneficia indiretamente dos conhecimentos transmitidos, de forma voluntária, pelo policial militar instrutor. Esse policial militar é a peça-chave de todo mecanismo que move o PROERD, que é financiado integralmente pela Polícia Militar.
O PROERD SP possui o Prêmio Jovem Brasileiro, o Prêmio Racine e foi considerado Parceiro Estratégico pelo Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (CONAD), além de ter uma legislação própria, a Lei Estadual 12.901, de 08 de abril de 2008. O PROERD é uma política séria de homens e mulheres do bem.
É impossível para a DEFENDA PM entender o motivo de a APEOESP posicionar-se contrariamente a esse programa de prevenção, pois, mesmo levando em consideração as diferenças ideológicas e o ranço antidemocrático que existe por parte daquela Associação, devia ela, como representante de professores, unir-se aos objetivos desse programa de prevenção, para que tenhamos crianças mais bem  preparadas e jovens mais conscientes de seu papel na sociedade.

 

PARABÉNS À POLÍCIA CIVIL DE SÃO PAULO

 

O presidente da DEFENDA PM, Cel PM Elias Miler da Silva, parabeniza a Polícia Civil de São Paulo, bem como a ADPESP e o SINDPESP referente à indicação de lista tríplice para que o futuro Governador de São Paulo possa escolher quem será o novo Delegado Geral em 2019.

A iniciativa é louvável e poderá ser adotada também para a escolha do Comandante Geral da Polícia Militar.
Aliás, o futuro governador, seja ele quem for, deveria valorizar tais carreiras e o cargos de Delegado Geral da Polícia Civil e de Comandante Geral da Polícia Militar serem elevados a Secretário de Estado, criando, com isso, a Secretaria Estadual de Polícia Civil e a Secretaria Estadual de Polícia Militar.
Com tal medida, ambas as polícias tratariam seus assuntos diretamente com o governador de estado, sem a necessidade de um “atravessador” como ocorre atualmente com a existência da SSP.
E nada disso seria inovador, pois já há estados em que tal situação ocorre.
Vejam as notícias sobre o assunto em comento nos links a seguir.

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!

politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/delegados-elegem-lista-triplice-para-chefe-da-policia-civil-de-sao-paulo/

jovempan.uol.com.br/programas/jornal-da-manha/entidades-de-classe-defendem-lista-triplice-para-escolha-de-delegado-geral-da-policia-civil-de-sp.html

VITÓRIA PARA AS POLÍCIAS MILITARES

Acessem a decisão acima, em sede de Habeas Corpus, proferida pelo Tribunal de Justiça do Paraná referente à nossa competência de Polícia Judiciária Militar nos crimes dolosos contra a vida praticados por policial militar contra civil em serviço ou em razão da função.
Trata-se de mais uma vitória das Polícias Militares e serve de sinal de alerta para São Paulo que, graças a uma ADI do PGJ, está em sentido contrário à decisão daquele Tribunal.
JUNTOS SOMOS MAIS FORTES!