MAIS UM “PIANO PESADO” PARA A POLÍCIA MILITAR CARREGAR EM PREJUÍZO DA SOCIEDADE PAULISTA

 
(*) Elias Miler da Silva

 

Nesta data, fomos surpreendidos pela publicação da Resolução Conjunta SSP/SJDC nº 1, de 07/02/17, por meio da qual o Excelentíssimo Senhor Secretário da Segurança Pública e o Secretário de Justiça e da Defesa da Cidadania transferem mais uma missão para a Polícia Militar que, diga-se de passagem, já possui um “piano pesado” para carregar quando falamos em Segurança Pública no Estado de São Paulo.

A partir da publicação desta resolução, senhores cidadãos, a PM Paulista passará, além de suas inúmeras missões constitucionais, a realizar também as escoltas e transportes de menores infratores (adolescentes) no interior do Estado.

Em texto publicado recentemente foi retratada a situação de a Polícia Militar já fazer as escoltas de presos em todo o interior do Estado, pois apenas na Capital e Região Metropolitana é que a escolta de presos é realizada por agentes da Secretaria de Assuntos Penitenciários (SAP).

E num cenário caótico de segurança pública no país, em que assistimos no Estado do Espírito Santos famílias de Policiais Militares impedindo, defronte aos quartéis, que aqueles saiam para desempenhar a missão constitucional de preservação da ordem pública, vemos que aqui em São Paulo a Polícia Militar vem sendo leal e fiel ao seu chefe supremo, o Sr. Governador do Estado Dr. Geraldo Alckmin.

E aproveito para, mais uma vez, relembrar ao nobre Senhor Governador que além de estarmos há quase três anos sem qualquer reposição salarial, nem sequer a inflacionária no período, ainda temos que exercer inúmeras funções que não são de nossa competência legal. É preciso atenção especial de Vossa Excelência na valorização de seus Policiais Militares que sustentam dia a dia a vossa governabilidade. Sem polícia, teríamos a caos implantado, como estamos vendo no Espírito Santo e já vimos em outros Estados. E aqui ainda honramos os deveres da lealdade e constância.

Urge a necessidade de valorização desses profissionais que, muitas vezes, doam suas vidas em prol da sociedade. Que a sociedade, a mídia e os poderes constituídos nos apoiem nessa empreitada, tal como estamos acostumados a ver em países desenvolvidos.

 

(*) É Coronel da Reserva da Polícia Militar e Presidente da Associação “DEFENDA PM”

www.defendapm.org.br

 

Fonte: http://diariooficial.imprensaoficial.com.br/nav_v4/index.asp?c=4&e=20170208&p=1

 

 

 

0 resposta para “MAIS UM “PIANO PESADO” PARA A POLÍCIA MILITAR CARREGAR EM PREJUÍZO DA SOCIEDADE PAULISTA”

  1. Triste ver que um estado que é considerado o coração do Brasil ter um dos piores salário e o que parece esses creptrocratas que estão no poder somente olham para o proprio umbigo porquê será que em Brasília o salario da política militar é o melhor de todo o resto do pais quando eu era criança vi uma frase de caminhão ajude a mudar o país hoje tenho uma outra idéia mude do pais se tiver como estamos até os dentes desde o auto escalão de todas as autarquias governamentais dominadas por corrupção infelizmente desde que PT passou ser o mandante do pais não estou dizendo que seria somente este partido em particular isso seria uma utopia a corrupção começa nas pequenas coisas como um pai que apresenta um atestado falco para justificar a falta do filho que foi vagabundiar e por ai vai poderia dar milhões de exemplos mas isto é moral e honra peddemos isto com estes governantes de esquerda que perpetuam seu poder a qquer custo infelizmente Brasil o último que sair apaga a luz

  2. Até que enfim apareceu alguém para falar publicamente em favor dos Policiais Militares e também dos Policiais Civis, “órfãos de pai e mãe”, entregues a própria sorte em relação a situação sócio – econômica. Onde estão aqueles que diziam que iriam propor medidas em favor da segurança pública, estatuto do desarmamento, porte de arma, transporte de policiais, correção de soldos pela inflação pelo menos, e outros. Não queremos ser massa de manobra para atender a interesses e conquistas pessoais queremos pessoas com espírito coletivo comprometidos com o bem estar de todos. Se a polícia não pode fazer greve, nem deve, o povo não tem culpa, a proposta de lei deveria garantir pelo menos o direito de protestar fora da atividade policial, ou seja, manifestação de policiais, familiares e simpatizantes durante a folga. Onde estão as associações dos círculos, cabos e soldados, sargentos e sub-ten e oficiais O servidor do estado de uma forma geral, como todo trabalhador e os políticos que tem seus subsídios corrigidos automaticamente pela inflação, não tem data base. Porque não entram na justiça para garantir este direito, Ano que vem mais uma vez vão aparecer os “defensores” da causa policial.

Deixe uma resposta